Singapura e Indonésia em 17 dias | SINGAPURA | INDONÉSIA

Singapura e Indonésia. Tão perto uma da outra, tão vizinhas, tão diferentes. Uma é uma cidade futurista, cristalina, tecnológica, que todos os outros centros urbanos no mundo anseiam ser. Outra é um país de 17 500 ilhas, cada uma com a sua cultura e costumes diferentes, tão aberta, tão acolhedora, tão carregada de experiências. 18 dias não chegam sequer para absorver na totalidade o que cada uma destas ilhas tem para dar, quanto mais para uma visita aos dois países. No entanto, e para quem não tem tempo infinito para estas aventuras como eu, segue em baixo uma sugestão de roteiro para uma viagem na região, baseada na que fiz em Junho de 2018. 

Créditos do vídeo

Conteúdo:
  • Nº fotografias tiradas – 2037
  • Nº clips de vídeo – 827
  • Total de dados – 28,1 GB
Equipamento:
  • Sony RX-100
Software de edição:
  • Final Cut Pro X
Audio:
  • C2C – Down the road

Trajecto

Como um dos hubs aéreos da região, é fácil perceber o porquê de Singapura estar incluída no roteiro. Servindo como ponto de partida e meta final, é nesta cidade-estado que começa a viagem. É também daqui que se salta para a Indonésia, para a ilha de Java. Atravessando depois esta ilha por terra até ao seu extremo mais oriente, passa-se de ferry para a ilha de Bali. Depois de uma semana de aventura por aqui, regressa-se a Singapura de avião outra vez, mas agora para o voo de volta a casa.

Segue em baixo, a sugestão de roteiro para uma viagem a Singapura e à Indonésia ao longo de 18 dias (ilustrada em mapa na figura acima).

Dia 1: Singapura

Passear pela cidade e ter uma primeira impressão da mesma. Consoante a hora de chegada do voo há mais ou menos tempo para ver o que Singapura tem para oferecer. Escolher um dos três grandes bairros (Little India, Chinatown, ou Arab Street) e passear por lá. Pernoitar na cidade.

Dia 2: Singapura – Yogyakarta

Acordar cedo para passear um pouco nas redondezas de onde se esteja hospedado. Ao final da manhã apanhar um voo para Yogyakarta. Durante o que sobrar da tarde, passear por Yogyakarta e pela sua avenida principal, a Jalan Malioboro, e presenciar a mudança e a enchente de vida que o final da tarde e inicio de noite trazem à zona.

Dia 3: Yogyakarta

Saída de manhã para os templos de Prambanam, usando um dos mini-bus locais (um dos autocarros que tem como última estação o complexo dos templos). Passar aqui o resto da manhã e a tarde. Os templos são enormes e o complexo todo também o é, pelo que há muito para ver. Ao final da tarde regressar a Yogyakarta e passear mais uma vez pela Jalan Malioboro.

Dia 4: Yogyakarta

Dia para visitar Borobudur, o maior templo budista do mundo. De manhã, apanhar um mini-bus local para a estação de autocarros a norte da cidade (Jombor) para depois seguir para Borobudur. Chegada ao templo cerca de 2 horas depois (pode ser menos consoante o trânsito). Passar o resto do dia no templo, apanhando o ultimo autocarro de volta à cidade por volta das 17 horas. Jantar e passar a noite uma última vez na Jalan Malioboro.

Dia 5: Yogyakarta – Surabaya

Durante a manhã visitar o Kraton no centro de Yogyakarta, bem como o Taman Sari Water Castle ali perto. Ao final da manhã ir para a estação de comboios de mini-bus local ou taxi e apanhar um comboio para Surabaya. A viagem é tranquila e dura aproximadamente 5 horas, mais que suficiente para aproveitar a paisagem. Chegada à noite a Surabaya, apenas para dormir.

Dia 6: Surabaya – Probolinggo – Cemoro Lawang (Mt. Bromo)

Sair de manhã cedo de Surabaya e ir de comboio para Probolinggo, cidade perto onde partem as carrinhas para o Monte Bromo. Ao final da manhã, já em Probolinggo, apanhar uma dessas carrinhas até Cemoro Lawang, vila na orla da cratera do vulcão e ponto base para a visita ao mesmo. Chegada à vila a meio da tarde, com tempo suficiente para um passeio pela mesma. Deitar cedo. 

Dia 7: Cemoro Lawang (Mt. Bromo)

Levantar às 2:30 da madrugada para iniciar a caminhada para ver o nascer do sol no Mount Bromo. Subir ao miradouro de King Kong Hill a tempo de ver o nascer do sol na encosta do vulcão (acontece por volta das 5 da manhã). Ao inicio da manhã descer para a vila e consoante a energia restante, ou visitar a cratera do vulcão ou descansar durante a manhã (e fazer à tarde o oposto). No final de tarde e depois de jantar, passear pela vila, correndo todos os seus miradouros.

Dia 8: Cemoro Lawang (Mt. Bromo) – Probolinggo – Banyuwangi – Gilimanuk – Pemuteran

De manhã apanhar um taxi previamente marcado e descer até Probolinggo a tempo de entrar no comboio das 11 horas que segue para o extremo este da ilha de Java, para a cidade de Banyuwangi. Aqui, a meio da tarde e logo que se chegue do comboio, apanhar um ferry para Bali (Gilimanuk) e posteriormente um taxi para Pemuteran (viagem de taxi dura menos de 1 hora). Em Pemuteran, jantar num dos muitos restaurantes existentes e passar a primeira noite na ilha de Bali nesta vila costeira.

Dia 9: Pemuteran

Saída de manhã para snorkling com uma das companhias locais. Viagem de barco até perto da ilha de Menjangan, um dos melhores locais para mergulho de toda a ilha. O regresso à ilha é feito durante o inicio da tarde, dando tempo para depois visitar o templo local (Pura Pemuteran) e subir ao Pura Bukit Baro (a vista de final de tarde no cimo da encosta é divinal). Ao final do dia, mais um jantar num dos restaurantes locais (a oferta é muita, e a qualidade de muitos deles também o é).

Dia 10: Pemuteran – Munduk

Durante a manhã, aproveitar a praia de Pemuteran a fazer snorkling e a ver corais perto da areia. Almoço num warung local e depois apanhar um taxi para Munduk. Viagem de pouco mais de hora e meia pelo campo, culminando com subidas íngremes até aos campos de arrozais e à vila. Durante a tarde passeio pelos trilhos no meio dos arrozais. Jantar num restaurante local, com vista para a escuridão estrelada de luzes de pequenas casas que são os vales à volta da vila. 

Dia 11: Munduk

De manhã alugar uma scooter na vila e seguir para os lagos. Fazer a estrada junto aos mesmos e descer depois para Bedoegoel. Visitar o mercado local logo após o fim da descida, e almoçar num dos warungs à beira do lago. Seguir para o Pura Ulun Danu Beratan, o afamado templo que fica dentro de água, e sobreviver à enchente de turistas que vão começando a aparecer à medida que se começa a ir para a parte mais sul de Bali. Ao início da tarde voltar para Munduk mas a meio caminho, já no caminho a descer para a vila, parar e visitar as cascatas que se encontram perto. Depois de entregar a mota já em Munduk, fazer uma caminhada e visitar outras cascatas que se encontram mais perto da vila. Jantar em Munduk e apreciar mais uma vez a natureza local.

Dia 12: Munduk – Ubud

Dar um último passeio pelos trilhos nos arrozais perto da vila durante a manhã, antes de apanhar um taxi para Ubud. A meio caminho da viagem, fazer uma pausa nos campos de arroz de Jatiluwih (como se está cada vez mais perto de Ubud, a massa turística vai cada vez mais aumentando). A meio da tarde chegar a Ubud. Passear pelo centro da cidade e depois de jantar ver um espetáculo de dança tradicional num dos templos locais.

Dia 13: Ubud

Alugar uma scooter de manhã e seguir para norte para o Pura Tirta Empul, o templo mais conhecido por templo da água. Passar a manhã aqui e almoçar num warung perto. Ao inicio da tarde visitar o Pura Gunung Kawi também nas redondezas (preparar para descer muitos degraus). Ao final da tarde seguir para umas cascatas também perto, as Tibumana Waterfall, passando com a scooter pelo meio dos muitos arrozais. Ao inicio da noite visitar o mercado a céu aberto de Gianyar, local excelente para provar muitas das iguarias locais.

Dia 14: Ubud

De manhã seguir para sul de Ubud e visitar a fábrica de chocolate Big Tree. Ao almoço voltar para Ubud e provar a especialidade local babi gulin (se se conseguir ir ao Ibu Oka, restaurante famoso por ter recebido um dos episódios das séries de Anthony Bourdain). Depois de almoço visitar o museu de Ubud e ao final da tarde ver mais um espetaculo de dança balinesa (o Kecap Dance é uma recomendação). Depois do espetáculo jantar num dos restaurantes locais.

Dia 15: Ubud – Denpasar – Singapura

Durante a manhã dar um salto ao mercado local de Ubud para souvenirs de ultima hora. Apanhar um taxi para o aeroporto de Denpasar e regressar a Singapura durante a tarde. Já depois de deixar as malas no hostel escolhido para a dormida, ao início da noite seguir para a Marina Bay e apreciar o espetáculo de luzes no hotel Marina Bay Sands.

Dia 16: Singapura

Ao início do dia ir para os Gardens by the Bay e visitar a zona durante a manhã. À tarde ir para Chinatown e visitar o Buddha Tooth Relic Temple e o Chinatown Heritage Centre, não sem antes dar um salto ao food court nas redondezas para provar a gastronomia local (o chicken rice é obrigatório). Ir jantar para a zona da Marina Bay e ver o espetáculo de luzes e som no Gardens by the Bay.

Dia 17: Singapura

Último dia da viagem, dedicado a compras de última hora (os souvenirs em Chinatown são particularmente interessantes) para depois apanhar o voo de regresso a Lisboa.

Custo da viagem e preços

Esta viagem de 17 dias, incluindo os voos ida e volta Lisboa – Singapura bem como os de e para a Indonésia, custou-me no total 1 200 €. Descriminando este valor por categorias, conclui-se que o gasto por categoria foi:

  • Voos: 59% (700 €)
  • Transportes: 11% (130 €)
  • Cultura: 10% (120 €)
  • Alimentação: 8% (100 €)
  • Alojamento: 8% (100 €)
  • Souvenirs: 2% (25 €)
  • Outros: 2% (25 €)

Também para se ter uma noção do que se gasta, partilho em baixo os preços de alguns itens essenciais (alimentação, transportes, sítios que visitámos, etc.), tanto para Singapura como para a Indonésia.

Singapura

  Preço
Água (1,5 L) 1 S$  (0,60 €)
Prato de chicken masala nos food courts 5 S$ (3,10 €)
Batido de manga 2,5 S$ (1,50 €)
Prato de chicken noodles nos food courts 4 S$ (2,50 €)
Teh tarik (bedida local) 3,5 S$ (2,20 €)
Bilhete para os “Gardens by the Bay” 28 S$ (17,4 €)
Viagem de metro na cidade 1,2 S$ (0,75 €)
Viagem de metro para o aeroporto 2,4 S$ (1,5 €)

Comparativamente com o custo de vida em Singapura (e em todo o mundo ocidental diga-se de facto), os preços na Indonésia são mesmo muito baratos, especialmente na alimentação. Claro que há também a oferta de produtos mais caros para quem os procura, mas para o estilo de vida backpacker consegue-se não gastar muito dinheiro. 

Indonésia

  Preço
Água (1,5 L) 2500 Rp (0,15 €)
Sumo de fruta fresca 8000 Rp (0,50 €)
Almoço num warung (mie ayam e dois sumos de laranja) 15000 Rp (0,90 €)
Almoço típico (dois pratos e duas bebidas) 35000 Rp (2 €)
Jantar para dois num restaurante bom (prato, bebida, e sobremesa)  170000 Rp (9,75 €)
Prato de babi guiling (leitão), especialidade de Bali 60000 Rp (3,50 €)
Bilhete de autocarro em Yogyakarta 3500 Rp (0,20 €)
Autocarro de Yogyakarta para Borobudur 20000 Rp (1,15 €)
Autocarro de Probolinggo para Cemoro Lawang (Mt. Bromo)  75000 Rp (4,30 €)
Aluguer de scooter por um dia (com dois capacetes incluídos) 70000 Rp (4 €)
Encher o depósito da scooter com gasolina 25000 Rp (1,50 €)
Parque de estacionamento da mota 2000 Rp (0,10 €)
Bilhete combinado para Prambanam e Borobudur 540000 Rp (31 €)
Saída de barco para fazer snorkling (durante toda a manhã) 450000 Rp (25,80 €)
Espetáculo de dança em Ubud 80000 Rp (4,60 €)

Alojamento

O alojamento em Singapura é caro e a oferta não é muita para as carteiras mais poupadas. O que existe e muito são hotéis muito caros e hostels não tão baratos assim. No entanto na Indonésia a história já é diferente, com a oferta de alojamento barato ser muita, pagando por um quarto duplo o que se paga em Singapura por uma cama numa camarata. É fazer bem a pesquisa que se encontram hostels realmente fantásticos.

Nota: os preços apresentados são por quarto duplo por noite.

Hostel Cidade Preço/noite Notas
Meadows Hostel Singapura 19 € Hostel simples perto da Arab Street de Singapura. As camaratas são compostas por camas embutidas na parede (uma espécie de cápsula, com cerca de 1 metro de altura), com uma cortina aos pés a servir de divisória. Mesmo as camas de casal são assim, cada uma delas com um mini candeeiro próprio e tomadas para carregar os telemóveis. Os quartos têm cacifos por baixo das camas. As casas de banho estão minimamente limpas, não se pode andar calçado em todo o hostel, e o pequeno almoço é servido numa varanda faça chuva ou faça sol (mesmo com chuva, como foi o nosso caso, não se está mal). Não é o melhor hostel de sempre, mas serve bem para dormir uma noite na cidade.
The InnCrowd Backpackers Hostel Singapura 11 € Localizado no meio de Little India, este é um hostel tradicional com beliches em camaratas e uma sala comum grande para o convívio. O pequeno almoço não passa de café, torradas, e um balde cheio de ovos cozidos para tirar à escolha. Casa de banho limpas, e a rapaziada da recepção é prestável e ajuda a marcar eventos na cidade com facilidade. Muito melhor face ao que ficámos na primeira noite em Singapura.
Rumah Yoga Yogyakarta 5 € Hostel de Yogyakarta com coisas muito boas e uma um pouco má. Começando pela má: o quarto era tão quente! Mesmo com a ventoinha ligada era difícil adormecer, pelo que a escolher este hostel que se opte por um quarto com ar condicionado! Saltanto para as boas: tanta coisa! O hostel é mais uma casa de familia que outra coisa, onde nos fazem pequenos almoços divinais (arroz frito, fruta fresca, panquecas) e nos tratam tão bem. Há um chuveiro na rua sem tecto que dá para tomar banho debaixo de estrelas. Há um pequeno lago no jardim com aqueles peixes que limpam os restos de comida dos pés. Há uma familia de gatos a passearem livremente pela vivenda. É mesmo muito porreiro! Ah, e fica a 5 minutos a pé de uma paragem de autocarros locais que levam a qualquer lugar da cidade. Recomendo vivamente!
Livinn Hostels Surabaya 7 € Hostel apenas para passar uma noite em Surabaya, nada mais. Apesar de os quartos estarem limpos e as casas de banho também, não tinha mais para oferecer. Pelo menos o ar-condicionado não parou durante a noite.
Bromo Otix Guest House Cemoro Lawang 13 € É apenas um quarto e uma casa de banho partilhada. Não servem pequenos almoços, não há interacção com os clientes. A escolha recaiu neste devido a ser barato para a vila (devido à pouca oferta no topo do Mt. Bromo, os hostels/guesthouses podem praticar os preços que quiserem).
Komang Homestay Pemuteran 10 € Hostel muito bom em Pemuteram. Pequeno (só tem 4 quartos), mas tem um jardim lindo com relva, árvores, e flores, e tem também um dono super simpático e sempre prestável que faz excelentes pequenos almoços! Casa de banho privada e localização excelente a poucos minutos da praia e da rua principal. Recomendado!
Bendesa Mas Inn Munduk 11 € Hostel excelente no meio da vila de Munduk. A habitação em si é uma casa colonial com um jardim com relva em frente, com uma vista magnifica. Os quartos são pequenos mas verdade seja dita, em Munduk não se vai querer passar muito tempo no quarto! Fica a escassos metros do inicio dos percursos de caminhada pelo meio dos arrozais, o pequeno almoço é simples mas divinal, e ainda nos deixam subir para o telhado da casa para apreciar a vista e o por do sol. Recomendo mais que vivamente!
Ojek’s Homestay Ubud 3 €* Este hostel fica no centro de Ubud mas numa rua perpendicular à avenida principal, ganhando logo muito menos confusão. É um emaranhado de casas e ruelas, todas dentro do espaço do mesmo, que não se vêem quando se entra. Apesar dos quartos serem pequenos o sitio é mesmo muito bonito, e os pequenos almoços foram dos melhores desta viagem. Muito recomendado!

* cama em dormitório para uma pessoa

Artigos relacionados

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *