O comboio circular de Yangon | MYANMAR

Para mim, Yangon tem três grande highlights: a Shwedagon Paya, o caos de mercados, lojas e restaurantes locais da downtown, e o percurso de comboio na linha circular da cidade. Esta linha parte do centro da cidade, atravessa-a por completo até aos subúrbios, e volta de novo até à estação principal de comboios, sendo uma excelente oportunidade para ver paisagens novas.

A viagem dura cerca de 3 horas. A demora não é devida ao numero de quilómetros que a linha tem, mas sim porque o comboio anda devagar. Cada bilhete custa 200 kyats por pessoa, que não são mais que 15 cêntimos. Sim, isso, uma viagem de comboio de 3 horas por 0,15 €, porreiro!

A linha é composta por 38 estações e apeadeiros, e o que pode à primeira vista parecer uma viagem monótona e entediante é na realidade uma oportunidade única para descobrir a realidade diária dos habitantes de Yangon.

Estação

A Yangon Central Railway fica na downtown da cidade. É uma estação antiga (as fachadas não enganam) mas que serve bem o seu propósito para a cerca de meia dúzia de linhas que alberga.

O bilhete para a viagem compra-se na plataforma mesmo junto à linha do comboio. Existe um pequeno balcão no centro da plataforma onde se pode fazer a compra. O preço da viagem está tabelado num placard grande junto ao mesmo, por entre os indescritíveis caracteres birmaneses.

Viagem

A viagem é super tranquila. O comboio é espaçoso e não parte muito cheio (há sempre lugar para sentar). As janelas e portas vão sempre abertas, pelo que brisa na cara é o que não falta. Existem ainda várias ventoinhas no tecto para refrescar um pouco mais o corpo.

É clara a diferença entre as duas partes da viagem: quando o comboio se afasta da cidade, e quando perfaz metade do circulo e se dirige novamente para Yangon. Na primeira parte da viagem vai vazio, com alguns locais a saírem nos subúrbios e pouca gente a entrar. Alguns dormem, outros vão a apreciar a paisagem (como nós). Há comida a ser servida nas carruagens: chás e uma espécie de mini bolas de berlim com manteiga no meio. Não são a coisa mais saudável mas dá para matar a fome.

Já quando o comboio se dirige novamente para Yangon, a movimentação é completamente outra. Muitos camponeses entram de sacos enormes de vegetais às costas, sentam-se e começam a prepará-los para vender nos mercados de rua da cidade. Há mesmo imensa gente a fazer isto! Acabam a viagem com grandes sacos de verga recheados de verduras frescas. É incrível a facilidade com que tiram folhas e caules de plantas, sendo que algumas delas ainda estou hoje para descobrir o que eram.

Um ponto positivo foi que durante toda a viagem, desde que saímos da estação até que regressámos, não vimos um único turista, o que tornou a experiência verdadeiramente autentica. Foi realmente uma maneira excelente de passar uma manhã com este povo super simpático.

Paisagem

A paisagem muda constantemente. Ora são os prédios de Yangon, ora os subúrbios da cidade, ou por fim planícies verdejantes no campo. No entanto, a vida na beira da linha do comboio é uma constante. Há tascas improvisadas, que não são mais que senhoras com um mini fogão a preparar fast-food local para quem passa. Há também muita venda ambulante de fruta e legumes, a ser comprada nos poucos instantes em que o comboio pára nos apeadeiros. O tempo também esse foi uma inconstante, com um sol abrasador quando saímos da cidade, e uma chuva forte quando regressámos.


Preço:

  • Bilhete de comboio: 200 Kyat (cerca de 0.15€)

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *