Struisbaai e Agulhas: como é a vida no fim do mundo? | ÁFRICA DO SUL

Struisbaai e Agulhas são dois vilarejos sul-africanos situados mesmo no sul de África. Mais conhecidos por terem em si a ponta mais a sul de todo um continente, são, para além disso, duas pequenas vilas piscatórias, pacificas e excelentes para abrandar o ritmo da correria e caos que o país (e mesmo o continente) por vezes pode ser. Pelo marco geográfico que representam, sempre estiveram na minha to-do list de lugares do mundo a visitar, e em Outubro de 2018 foi com prazer que risquei esse ponto da lista de míticos a fazeres!

Ambas as localidades fazem parte da região do Western Cape, que tem como capital a Cidade do Cabo. São pequenas, com Struisbaai a ser ligeiramente maior que Agulhas e a ser portanto, o ponto normalmente escolhido para alojamento por ter mais opções de restauração e comércio.

  • Distância de Cape Town: 220 km
  • Tempo de viagem de carro: 2h 30m

Struisbaai e Agulhas são quase contíguas, com uma faixa de apenas 1 km sem casas a separá-las. Apesar da grande atracção da zona ser o Cabo Agulha, existe mais um ou outro pontos de interesse, especialmente em Struisbaai. Há um porto de pesca acolhedor com alguns barcos tradicionais, um passadiço comprido nas dunas para umas boas caminhadas, e uma praia com areal branco e extenso. Em Agulhas há também um farol antigo que hoje em dia, para além de ainda iluminar os mares durante a noite, funciona também como museu durante o dia.

São duas localidades muito parecidas, compostas maioritariamente por vivendas térreas com enormes relvados à frente (sem gradeamento ou portão a separar da estrada principal, nem passeio existe!). Não há muito trânsito, excepto um ou outro autocarro que passa com turistas a caminho do Cabo Agulhas. Quanto a segurança, nunca tive problemas, mesmo tendo andado a pé sozinho à noite junto à praia de Struisbaai.

O caminho a ligar a praia principal ao porto de pesca de Struisbaai segue junto ao mar e está rodeado de vegetação local. Uma parte é passadiço de madeira assente em areal, outra parte é só mesmo areia. De manhã é normal ver muitos locais a caminhar ou a correr na zona.

Já no porto, existem alguns barcos de pesca e um pequeno pontão de onde também se pode pescar (durante o final do dia é comum ver miúdos irem para lá tentar apanhar um ou outro peixe). Existe também um estacionamento mesmo junto à água onde se pode parar o carro e descansar enquanto se observa o mar e as redondezas. Logo ao lado do estacionamento há um pequeno restaurante, o Pelican’s Harbour Café, onde servem bom peixe e também choco-frito (como bom Setubalense que sou tive de pôr à prova este tal choco, mas, e como já está à espera, ainda estava a anos luz daquele que é servido na terra do Sado! Mas deu para matar a saudade!).

Em termos de alojamento as opções não são muitas. Uma rápida pesquisa no Booking indica não mais que uma mão cheia de hostels e guest houses, com casas para alugar a ser o que há mais de oferta. Fiquei no Cape Agulhas Backpackers (que na realidade fica em Struisbaai), numa camarata de 8 camas que por sorte estava vazia e ficou só para mim durante a toda a estadia. O hostel é fantástico bem como as pessoas que lá trabalham (super simpáticas e prestáveis). Tem estacionamento privado, uma pequena piscina, uma área comum enorme com lareira, cozinha, e animais à solta (2 cães e um papagaio!). Fica junto à estrada principal de Struisbaai, e 5 minutos a pé da praia. Recomendo vivamente para passar umas noites no fim do mundo!

Dicas para visitar Struisbaai e Agulhas:

  • Ficar alojado em Struisbaai em vez de Agulhas, pois há mais opções de alojamento e alternativas para alimentação;
  • Há um parque de campismo em Struisbaai junto à praia (e perto do Cape Agulhas Backpackers Hostel), oferecendo mais uma alternativa de alojamento para quem leva tenda;
  • Visitar o Cabo Agulhas de manhã, pois há muito menos gente. É comum haver excursões desde Cape Town até ao Cabo que começam a chegar a partir da tarde, enchendo muito a zona (um percurso habitual é sairem de Cape Town de manhã, passarem por Hermanus para verem as baleias, e chegarem a Cape Town ao inicio da tarde). Como toda a gente vai querer tirar uma foto com o marco do ponto mais a sul do continente, quanto menos gente lá estiver melhor!
  • Experimentar o tradicional hake frito, um peixe idêntico à nossa pescada;
  • Existe uma bomba de gasolina em Struisbaai portanto não há o risco de ir até ao fim de África e ficar sem combustível;
  • Só fiquei uma noite em Struisbaai, porque não tinha tempo para mais, mas recomendo vivamente passar mais que uma noite na zona. Aproveitar a natureza, abrandar o ritmo, pensar que depois do mar está a Antártida, vale mesmo a pena passar um bom tempo aqui.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *